Felipe pede voto aberto na votação do Regime de Urgência

O vereador Felipe Braga Côrtes solicitou durante a sessão plenária desta segunda-feira, 27, o voto aberto na votação que colocou em Regime de Urgência dois projetos de lei complementar da Prefeitura de Curitiba que alteram a cobrança de impostos municipais – o IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) e o ISS (Imposto Sobre Serviços), porém a maioria dos vereadores rejeitaram o pedido e a votação não foi registrada. Os pedidos de urgência foram protocolados a pedido do líder do Prefeito, Pier Petruzziello (PTB) e estão previstos para serem votados na próxima semana, para que sejam aplicados os aumentos já no próximo ano.

Apenas oito vereadores foram contrários à urgência e após a derruba do pedido de voto por painel eletrônica foi requisitado à Mesa que registrasse em ata os nomes dos parlamentares: Cacá Pereira (PSDC), Felipe Braga Côrtes (PSD), Goura (PDT), Marcos Vieira (PDT), Noemia Rocha (PMDB), Professora Josete (PT), Professor Euler (PSD) e Professor Silberto (PMDB).

Felipe Braga Côrtes disse que o aumento dos impostos pode levar a demissões e aumento do custo de vida em Curitiba, logo esses projetos deveriam ser debatidos com mais calma no Legislativo. “Temos sessões até o dia 16 de dezembro, poderia ter tramitado normalmente”, opinou, adiantando que haverá nova mobilização das entidades profissionais até a votação desses projetos. 

Serão 4 aumentos consecutivos do IPTU – 2018, 2019, 2020 e 2021 – sendo 4% para imóveis ocupados e 7% para desocupados. Serviços de prestadores do SUS, creches, asilos e casas de repouso 2%, entre outros.

 

“Aumento de tributos deprime a economia, a renda das famílias e a margem de lucro das empresas, necessária para novos investimentos”, afirmou o vereador Felipe.

Vereador em debate na Câmara Municipal sobre o aumento da carga tributária.