Câmara confirma ingresso da Guarda Municipal em consórcio - Felipe Braga Côrtes

Câmara confirma ingresso da Guarda Municipal em consórcio

Nesta quarta-feira (25), os vereadores de Curitiba confirmaram, em segundo turno, o apoio do Legislativo ao ingresso da cidade no Consórcio Intermunicipal de Guardas Municipais da Região Metropolitana, proposto pelo Executivo. Farão parte da iniciativa também as cidades de Campina Grande do Sul, Quatro Barras, Colombo, Fazenda Rio Grande, Mandirituba, Pinhais, Araucária, São José dos Pinhais e Campo Largo (005.00300.2017).

Mesmo com críticas da oposição na segunda-feira (leia mais), a proposição enviada pela Prefeitura de Curitiba à Câmara Municipal obteve novamente aprovação unânime em plenário. No primeiro turno, foram 30 votos favoráveis. Hoje, 32. “Não somos contra o consórcio, entendemos que a intenção é boa”, resumiu Felipe Braga Côrtes (PSD), “apenas ressaltamos a preocupação que alguns termos [do protocolo de intenções] possam afetar a operacionalidade da parceria”.

Professora Josete (PT) cobrou novamente o Executivo por não indicar o impacto financeiro do projeto, que ela julgava necessário, mas que a prefeitura disse não existir, em declaração enviada à Comissão de Economia após questionamento do colegiado. Ela e Braga Côrtes pediram atenção dos vereadores, quando a parceria entre os municípios estiver ativa, na fiscalização dos repasses da prefeitura para o consórcio. Não houve contraponto da base. No primeiro turno, Sabino Picolo (DEM), vice-líder da prefeitura na Câmara, argumentou que a medida traria economia ao município. “O trabalho vai ser mais eficiente”, disse.

De acordo com a justificativa, assinada pelo prefeito Rafael Greca, o objetivo da integração entre as guardas municipais é a reunião de esforços comuns “visando a melhoria e aprimoramento da segurança pública intermunicipal, tendo como consequência a redução dos índices de criminalidade na região metropolitana”. Dentro do consórcio, as corporações poderão economizar recursos públicos fazendo compras “em escala” de equipamentos e insumos, organizar ações integradas de “combate à criminalidade” e melhorar sua eficiência, por meio de transferência de tecnologia administrativa entre as prefeituras.